terça-feira, 6 de maio de 2008

Os pés do Dr. Ebbesmeyer - Luis Fernado Veríssimo

Não sei se você leu. A polícia de Vancouver, no Canadá, está investigando um mistério: o aparecimento de três pés humanos em praias de ilhas da região, num curto espaço de tempo. Pés direitos. E os três vestindo tênis. Não foi revelada a marca dos tênis, talvez para não alimentar a hipótese de se tratar do lançamento de alguma campanha publicitária macabra (“Você se decompõe, seu tênis não”, ou “Não caia na água sem eles”).

São muitas as especulações sobre a origem dos pés. Seriam de vítimas de afogamento ou acidentes de barco ou avião. Só os pés teriam sobrado depois que a água e os peixes acabaram com o resto. Ou seriam vítimas de algum matador e desmembrador em série. É possível que já estejam procurando fetichistas conhecidos com serra elétrica em casa. Não sei.

O que mais me intrigou na notícia foi o depoimento de um professor de Oceanografia da Universidade de Washington chamado Curtis Ebbesmeyer, descrito como um especialista em objetos flutuantes. O Dr. Ebbesmeyer não tinha opinião sobre de onde saíram os três pés mas tinha uma explicação para o fato de serem só pés direitos. Pelo formato dos tênis, os de pé direito flutuam naturalmente para um lado, os de pé esquerdo para o outro. Assim, não é improvável que apareçam pés esquerdos correspondentes aos pés já descobertos, mas em praias opostas, apesar de terem a mesma origem. Como autoridade em objetos flutuantes, o Dr. Ebbesmeyer tem a teoria pronta para sustentar sua tese.

Não sei que cara tem o professor, ou que ator o interpretaria quando fizessem o filme, mas posso imaginar as gozações que ele sofria no meio acadêmico por causa da sua especialização e das suas teorias. Aquela sua idéia de que um hipotético par de tênis posto numa superfície de água se separará, e flutuará um para um lado e outro para o outro de acordo com o seu formato, devia valer algumas piadas condescendentes para o velho Curtis, que nunca antes na sua carreira fora consultado sobre sua obsessão, as idiossincrasias dos objetos flutuantes. Até surgir o mistério dos pés direitos para consagrá-lo.

Ou então o próprio Dr. Ebbesmeyer teria, um dia, decidido mostrar aos incrédulos que o atormentavam que sua teoria não era risível, que ele não era

o louco que imaginavam. E providenciara os pés para o seu experimento.

Eu, se fosse a polícia canadense, veria se o Dr. Ebbesmeyer não tem uma serra elétrica.

7 comentários:

♥M@cellY♥ disse...

Oi!!!
Poxa... gostei mto do blog> legal mesmo...
Cheguei aqui procurando a cronica de Rubem Alves, de nome "Bullying". É meu tema de monoigrafia e gostaria de te_la como epígrafe, talves.
Bom.... não sei se vc a tem, se tiver pode me mandar? Mande o linkc mesmo, se desejar.
Deixa no meu blog, ou mande pro meu email..
é marcelemillen@hotmail.com.

Obrigada... rs

Bjinhuss

Rose Marinho Prado disse...

Dudu

Caí aqui ao acaso da net.
Boa iniciativa a sua de fazer um espaço para a crônica. Esse gênero narrativo é maravilhoso e para mim o mais sincronizado com o corre-corre de hoje.
O cronista capta em velocidade incrivel o instante, este derrubado nas ruas, alçado nas árvores, mergulhado no olhar dum mendigo de praça.
A crônica é um engenho que poucos tem talento para. É um construir meio artefato, a crônica liga o improvável e constrói um sentido, vários.
Parabéns pela iniciativa.

Sugiro aqui um cronista do Rio, chamado Antonio Caetano, pra mim , um dos melhores.
Ele está no Releituras e, claro, no seu site...o Cafe Impresso.
www.cafeimpresso.com.br
Um abraço

Rose Marinho Prado

Tina Lopes disse...

Vim atrás de um conto da Clarice Lispector e adorei a idéia do seu blog. Virei diariamente. Ótimo pra quando a gente está no trabalho e não pode abrir um livro enquanto engazopa... (rs).

Ana disse...

Olá, sou estudante. Minha professora deu um trabalho. Eu geralmente não me interesso por blogs inúteis com crônicas dos outros, mas eu queria parabénlizá-lo pelo ótimo trabalho que fez aqui, gostei dessa crônica,rs
Bom, vamos voltar a responder as questões do trabalho,bjs

Anônimo disse...

Meu querido, a idéia do blog me pareceu muito instigante. Trata-se da junção de boas vozes numa consonante varolização da crônica.
Gostaria que aportasse no meu blog, há algumas poesias e crônicas por lá. Os temas são variados, mas o deleite é o prato principal.

blog do Belo: www.belopoema.blogspot.com

LuCa Bueno disse...

Vai saber! Mto boa. Luís Fernando Veríssimo é mto bom.

Anônimo disse...

=/